Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2008

Segundo a Lei de Deus

Alguns meninos encontraram uma sacola cheia de nozes e ficaram muito felizes. Mas, esta felicidade durou apenas até decidirem repartir o conteúdo da sacola. Da algazarra, passaram ao desacordo, e daí a luta corpo a corpo. Como dessa maneira não encontraram solução, recorreram a Nasrudin para que desempenhasse o papel de mediador e juiz.

Este, tomando a sacola de nozes, perguntou: "Que lei vocês querem que eu use para repartir essas nozes, a lei dos homens ou a lei de Deus?"

"A lei de Deus", responderam os meninos em uníssono.

Nasrudin então começou a divisão: dando 2 a um, 3 a outro, 4 a este, um punhado aquele e a alguns outros não lhes deu nada.

Imediatamente, os que nada receberam começaram a queixar-se: "Mas Nasrudin, que tipo de lei você aplicou?"

"Meus filhos, reparti segundo a lei de Deus: a uns muito, a outros pouco e, a alguns nada. Se vocês tivessem escolhido a lei dos homens, as coisas teriam sido muito diferentes."

Estamos quites

Um dia Nasrudin foi ao banho turco. Os empregados trataram-no muito mal; deram-lhe um lenço velho e uma toalha rasgada. Nasrudin nada reclamou e ao sair deixou uma boa gorgeta.

Na semana seguinte, voltou ao mesmo banho turco. Desta vez, os empregados deram-lhe tratamento de primeira e Nasrudin deixou-lhes uma gorgeta muito fraca.

"Senhor, por que uma gorgeta tão ruim por um serviço tão caprichado?"

"Essa é a gorgeta da semana passada e aquela da semana passada é a gorgeta de hoje. Portanto, estamos quites!"

Apenas supondo

O Mullá caminhava pela rua, absorto em seus pensamentos, quando de repente, uns pirralhos começaram a atirar pedras nele.

"Não façam isso e eu lhes contarei algo que lhes interessa."

"Está bem, o que é? Mas, não nos venha com filosofia."

"O Emir está oferecendo um banquete aberto a todos."

As Crianças sairam correndo para o palácio, enquanto Nasrudin começava a entusiasmar-se com sua história, com as guloseimas e delícias da festa.

Levantou os olhos e viu-os desaparecendo ao longe. De repente, levantou sua túnica e saiu correndo atrás deles.

"E melhor que eu vá e veja", disse Nasrudin ofegante, "pois afinal, bem que poderia ser verdade".

Ficou na cabeça

Era dia de festa e a mulher de Nasrudin preparou uma daquelas fantásticas receitas de doce. Os dois comeram quase tudo e deixaram um pedaço para o dia seguinte.

À noite, tentando dormir, Nasrudin não conseguia pegar no sono de tanto pensar no doce. Até que acordou a mulher:

"Levanta que eu tenho algo importante para te dizer".

Enquanto a mulher tratava de se levantar, Nasrudin foi até a cozinha, voltando com o prato de doce nas mãos:

"Vamos comer tudo agora antes de dormir, é melhor ficar com o doce no estômago do que na cabeça".

A Mulher Perfeita

Nasrudin tomava chá e conversava com um amigo sobre a vida e o amor.

"Por que você nunca se casou, Nasrudin?", perguntou o amigo.

"Eu passei a minha juventude a procurar a mulher perfeita, no Cairo conheci uma linda jovem, inteligente, mas ela não era muito cortês. Em Bagdá, conheci uma mulher de alma generosa e amiga, mas não tínhamos muito interesses em comum. Então, um dia, eu a conheci uma mulher linda, inteligente, educada e generosa... Era a mulher perfeita".

"E por que você não se casou?". Perguntou o amigo.

Pensativo, Nasrudin sorveu mais um gole de chá e concluiu:

"Infelizmente, ela também estava a procura de um homem perfeito."

É por isso que lhe dão valor

"Nunca dê as pessoas coisa alguma que peçam, até que ao menos um dia tenha se passado", disse o Mullá.

"Por que não, Nasrudin?"

"A experiência mostra que só dão valor a algo, quando têm a oportunidade de duvidar se irão ou não consegui-la."