quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Apenas por graça...

Ao perceber um vulto branco na penumbra do jardin, Nasrudin pediu a sua mulher que providenciasse seu arco e flexa. Atingiu o objeto, saiu para ver o que era e voltou lívido, prostrado.

"Essa foi por um triz, Imagine só. Aquela minha camisa secando lá fora... Se eu estivesse nela, já teria sido morto. A flexa pegou bem no coração."

O HOMEM CUJA HISTÓRIA ERA INESPLICÁVEL

Era uma vez um homem chamado Mojud. Ele vivia numa cidade onde havia conseguido um emprego como pequeno funcionário público, e tudo levava...