quinta-feira, 5 de março de 2009

blogagem coletiva


"Devo fazer frente a três desgraças, cada uma pior que a precedente."

"Qual é a primeira? ", lhe pergutaram.

"A verdade abandonou meu coração."

"E a segunda, ainda mais grave que essa?"

"A mentira ocupou o lugar que ficou vazio."

"E a terceira dessas desgraças, a mais terrível" 

"Ah essa! Pois que já não experimento nenhuma dor nesta situação, nem o menor desejo de buscar-lhe o remédio". 

Este texto é atribuido ao meu amigo e contemporâneo (Attar, Mestre Sufi do século XII).

O HOMEM CUJA HISTÓRIA ERA INESPLICÁVEL

Era uma vez um homem chamado Mojud. Ele vivia numa cidade onde havia conseguido um emprego como pequeno funcionário público, e tudo levava...