quinta-feira, 30 de abril de 2009

La Critica de la Gente



H
odja y su hijo salieron de viaje cierta vez. Hodja prefirio caminar y que su hijo montara el burro. En el camino encontraron algunas personas que les dijeron:

"Miren al sano y joven muchacho! Esa es la juventud de hoy. No tienen respeto por los mayores. El monta el burro y hace qu esu padre camine!"

Cuando se alejaron el muchacho se sintio muy avergonzado e insistio em que el caminaria y que su padre fuera en el burro.

Entonces Hodja monto el animal mientras el muchacho caminaba a su lado. Mas tarde encontraron otras personas quienes dijeron:

"Bien, miren eso! Este pobre muchacho tiene que ir caminando mientras su padre monta el burro."

Siguiendo el camino y dejando a esa gente, Hodja le dice a su hijo:

"La mejor cosa para ambos sera caminar. Asi nadie se quejara."

Entonces siguieron viaje los dos a pie. Un poco mas adelante de su ruta ellos encontraron a otras personas que dijeron:

"Ya miren a esos tontos! Los dos estan caminando bajo este sol caliente y ninguno de ellos monta el burro!"

En ese momento Hodja se da vuelta y le dice a su hijo:

"Esto te demuestra que dificil es escapar de las opiniones y de las criticas de los hombres."



quinta-feira, 23 de abril de 2009

Como manter a coisa funcionando



N
asrudin costumava ficar pela rua nos dias de feira, e era alvo da fama de idiota.

Quantas vezes lhe ofereciam uma moeda grande e outra pequena, sempre ficava com a menor.

Um dia, um homem generoso e gentil disse-lhe:

"Nasrudin, você deveria ficar com a moeda maior. Assim as pessoas não irão mais debochar de você."

"Isto pode ser verdade", mas se eu sempre pegar a maior as pessoas vão parar de oferecer-me dinheiro para provar que sou mais idiota que elas. E então, eu não terei dinheiro nenhum".



quinta-feira, 16 de abril de 2009

O último dia



O
s vizinhos de Nasrudin, de olho grande no seu cordeiro, ficavam sempre tentando fazê-lo matar o animal. Plano após plano, todos falharam, até que um dia convenceram-no que o fim do mundo chegaria em 24 horas.

"Neste caso", disse o Mullá, "o melhor a fazer é comê-lo."

Então o cordeiro foi servido num banquete.

Após a comilança, despiram seus casacos e tiraram um cochilo. Algumas horas mais tarde, os convivas, ao acordarem, descobriram que Nasrudin havia jogado suas roupas na fogueira, queimando-as todas.

Eles explodiram numa onda de raiva, porém Nasrudin manteve a calma:

"Meus irmãos, amanhã é o fim do mundo, lembram-se? Para que então necessitas de roupas?"



quinta-feira, 9 de abril de 2009

O Atalho


V
oltando para casa, em uma dessas manhãs maravilhosas, Nasrudin pensou que seria uma boa idéia tomar um atalho pelo mato.

"Porquê", perguntava a si mesmo, "deveria arrastar-me por uma estrada poeirenta, quando posso estar em comunhão com a natureza, ouvindo o canto dos passáros e admirando as flores? Este é um dia verdadeiramente especial, um dia para se buscar a boa fortuna."

Dizendo isso, adentrou na floresta. No entanto, não havia ido muito longe, quando caiu num buraco, e ali permaneceu deitado em reflexão.

"Afinal de contas, não é lá um dia assim tão afortunado... Mas, foi melhor ter vindo por esse atalho... Se coisas assim podem acontecer num cenário tão bonito como esse, imagina o que não me poderia ter me acontecido naquela estrada imunda?"



O HOMEM CUJA HISTÓRIA ERA INESPLICÁVEL

Era uma vez um homem chamado Mojud. Ele vivia numa cidade onde havia conseguido um emprego como pequeno funcionário público, e tudo levava...