quinta-feira, 23 de julho de 2009

Mais útil

Nasrudin entrou na casa de chá proclamando:

"A Lua é mais útil que o Sol."

"Por quê Mullá?"

"Precisamos de mais luz durante a noite que durante o dia."

A soberania do mar

Imponentes, as ondas chocavam-se contra o rochedo, com suas curvas do mais profundo azul, explodindo numa espuma de brancura inigualável. Pela primeira vez na vida, Nasrudin vislumbrava esta paisagem e, por um momento, sentiu-se completamente dominado.
Então, foi à beira-mar e, com as mãos em concha, pegou um gole daquela água para provar.
"Pois sim", disse o Mullá, "e pensar que uma coisa com tais pretensões não é digna de se beber."

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Você não levou em conta



"Se ninguém disser qualquer coisa para me entreter", bradou um rei tirânico e já maltratado pela idade, "cortarei a cabeça de todos os cortesãos."

Imediatamente, Nasrudin deu um passo à frente.

"Majestade, não me corte a cabeça. Farei alguma coisa."

"E o que podes fazer?"

"Eu posso... ensinar um asno a ler e escrever!"

"É melhor fazê-lo, ou te esfolarei vivo", disse o rei.

"Vou fazê-lo", disse Nasrudin, "mas isto me tomará dez ano!"

"Muito bem", disse o rei, "concedo-te os dez anos."

Assim que o rei se retirou, Nasrudin foi cercado pelos nobres da corte.

"Mullá, é verdade mesmo que você pode ensinar um asno a ler e escrever?"

"Não", respondeu Nasrudin.

"Então", disse o mais sábio dos cortesãos, "você acaba de inaugurar uma década de tensão e ansiedade, pois certamente será condenado à morte. Oh, que loucura! Preferir dez anos de sofrimento e contemplação da morte ao machado do carrasco, que corta a cabeça num átimo..."

"Você não levou em conta apenas um pequeno detalhe", disse o Mullá. "O rei tem setenta e cinco anos e eu, oitenta. Muito antes que o tempo se esgote, outros elementos terão entrado na história...

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Percebe o que quero dizer?


N
asrudin esparramava punhados de migalhas em volta de sua casa.

"O que você está fazendo Mullá?"

"Afugentando os tigres."

"Mas por aqui não há tigres!"

"Viu só como funciona!"


O HOMEM CUJA HISTÓRIA ERA INESPLICÁVEL

Era uma vez um homem chamado Mojud. Ele vivia numa cidade onde havia conseguido um emprego como pequeno funcionário público, e tudo levava...