A soberania do mar

Imponentes, as ondas chocavam-se contra o rochedo, com suas curvas do mais profundo azul, explodindo numa espuma de brancura inigualável. Pela primeira vez na vida, Nasrudin vislumbrava esta paisagem e, por um momento, sentiu-se completamente dominado.
Então, foi à beira-mar e, com as mãos em concha, pegou um gole daquela água para provar.
"Pois sim", disse o Mullá, "e pensar que uma coisa com tais pretensões não é digna de se beber."

Postagens mais visitadas deste blog

O Cavalo Mágico

O ELEMENTO INESPERADO

O Mestre da Opção