sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

SEGREDOS

Certa vez um amigo perguntou a Nasrudin:

"Mullá você conhece alguém neste povoado que possa guardar um segredo?"

Hodja respondeu:

"Eu só sei que ninguém pode querer que os outros atuem como depósitos, portanto é melhor guardar os segredos para si mesmo".

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

O SER HUMANO...

O ser humano é uma casa de hóspedes. 

Toda manhã uma nova chegada, como visitantes inesperados: 
a alegria, a depressão, a falta de sentido... 
Receba e entretenha a todos, mesmo que seja uma multidão de dores, que violentamente varrem sua casa e tira seus móveis. 
Ainda assim trate seus hóspedes com respeito. Eles podem estar te limpando para um novo prazer. 

O pensamento escuro, a vergonha, a malícia, encontre-os à porta rindo... Agradeça a quem vem, porque cada um foi enviado como um guardião do além.


Jalaluddin Rumi (1207 - 1273)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

QUANDO A MORTE CHEGOU A BAGDÁ

Um dia, o discípulo de um sufi de Bagdá estava sentado num canto de uma hospedaria, quando ouviu duas figuras conversando. Pelo que diziam, percebeu que uma delas era o anjo da morte. 

"Tenho inúmeros chamados para fazer nesta cidade nas próximas três semanas", disse o anjo a seu companheiro.

Aterrorizado, o discípulo ficou escondido até que os dois tivessem partido. Então, aplicando sua inteligência ao problema de como ludibriar um possível chamado da morte, chegou a conclusão de que, se ficasse longe de Bagdá, não seria atingido. Desse raciocínio à decisão de alugar o cavalo mais veloz que havia e cavalgar noite e dia em direção a distante cidade de Samarcanda, foi apenas um passo.

Enquanto isso, a morte se encontrou com o mestre sufi; conversaram sobre diversas pessoas. "E onde está o seu discípulo fulano de tal?", perguntou a morte.

"Deve estar em algum lugar desta cidade, dedicando-se à contemplação, talvez num caravançarai", respondeu o mestre. 

"Curioso", disse o anjo, "porque ele faz parte da minha lista. Veja, aqui está, tenho que recolhê-lo destro de quatro semanas em Samarcanda e, em nenhum outro lugar."  

Extraido da livro: Histórias dos Dervixes (Ed. Roça Nova).
    


             

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

SOBRE OS GURUS

Um famoso guru do povoado pretendia ser capaz de ensinar uma pessoa analfabeta a ler mediante uma técnica relâmpago. Nasrudin saiu do meio do povo.

Pois bem, me ensine então!”

O guru tocou a testa de Nasrudin e disse:

“Agora vá imediatamente para sua casa e leia um livro!”

Passada meia hora, Nasrudin voltou à praça do mercado com um livro nas mãos. O guru já tinha ido embora.

“E então, você é capaz de ler agora, Mullá?”, perguntaram-lhe as pessoas.

“Sim, posso ler, mas este não é o caso. Onde está aquele charlatão?”

“ Como pode ser um charlatão se fez com que você conseguisse ler sem nenhum aprendizado?”

Este livro, que provém de autoridades indiscutíveis, diz:

“Todos os gurus são uma verdadeira fraude”


contosdenasrudin.blogspot.com

O HOMEM CUJA HISTÓRIA ERA INESPLICÁVEL

Era uma vez um homem chamado Mojud. Ele vivia numa cidade onde havia conseguido um emprego como pequeno funcionário público, e tudo levava...