Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2011

A ILHA DESERTA

Certa vez um homem muito rico, de natureza boa e generosa, queria que seu escravo fosse feliz. Para isso lhe deu a liberdade e um navio carregado de mercadorias.

"Agora você está livre", disse o homem. "Vá e venda esses produtos em diversos países e tudo o que conseguir por eles será seu".
O escravo liberto embarcou no navio e viajou através do imenso oceano.Não havia viajado muito tempo quando caiu uma tempestade. O barco foi arremessado violentamente contra os rochedos e se fez em pedaços; tudo o que havia a bordo se perdeu. Somente o ex-escravo conseguiu se salvar, porque, a nado, pode alcançar a praia de uma ilha próxima. Triste, abatido e só, nu e sem nada, o ex-escravo caminhou até chegar a uma cidade grande e bonita.
Muita gente se aproximou para recebê-lo, gritando:
"Bem-vindo, Bem-vindo! Longa vida ao rei!"
Trouxeram uma rica carruagem, onde o colocaram e escoltaram-no até um magnífico palácio. Lá muitos servos se reuniram ao seu redor, vestiram-no co…

Deus é Mais Forte

Ibotity tinha subido numa árvore quando o vento soprou a árvore; a árvore se partiu, Ibotity caiu e quebrou a perna.
“A árvore é forte porque quebrou minha perna”, disse.
“O vento é mais forte do que eu”, disse a árvore.
Mas o vento disse que a colina era mais forte, já que ela podia parar o vento. Ibotity, é claro, pensou que a força estava na colina, porque ela podia parar o vento, o vento que partiu a árvore, a árvore que quebrou sua perna.
“Não”, disse a colina, enquanto explicava que o rato era mais forte, porque podia esburacar a colina.
“Eu posso ser morto pelo gato”, contestou o rato.
E assim Ibotity pensou que o gato deveria ser o mais forte.
“De jeito nenhum”, disse o gato, explicando que poderia ser apanhado por uma corda.
Ibotity achou que a corda devia ser a coisa mais forte. A corda, porém, explicou que podia ser cortada pelo ferro. Portanto o ferro era mais forte. O ferro, por sua vez, negou ser o mais forte, já que podia ser derretido pelo fogo.
Ibotity então pensou que o fogo …